De Sociedade Brasileira dos Cuteleiros


Lendas na Cutelaria

por Marcos Cabete


Reunimos aqui algumas lendas sobre a cutelaria. Existem muitas. Algumas são resquícios de uma época cheia de fantasia e misticismo, outras são o produto da ignorância; e ainda existem as semeadas pelos enganadores.

Sempre existem alguns malandros, tentando tirar proveito das lendas antigas e ainda disseminando novas...

Nosso principal objetivo é desmistificar a cutelaria e contribuir para evitar a ignorância e a desonestidade.


Tabela de conteúdo


Marca Solingen

Alguns fabricantes colocam a marca "Solingen" em suas facas para dar a impressão de que são feitas na Alemanha com bons aços. Não existe a marca "Solingen" (pronuncia-se "Zôlinguen") pois, assim como Thiers, na França; Sheffield, na Inglaterra; e Toledo, na Espanha, Solingen é uma região produtora de aços e foi um dos mais famosos polos cuteleiros da Europa durante o século XIX e boa parte do século XX.

Aço Cirúrgico

Outros para evocarem o poder de corte da lâmina colocam: “Aço cirúrgico”. Um amigo que é cirurgião plástico, comentou sobre o poder de corte dos bisturis de hoje. Segundo ele, como são descartáveis e usam aços ordinários, alguns bisturis são abertos e jogados fora de tão ruins, outros praticamente serram o paciente que felizmente está anestesiado.

O aço usado em instrumentos cirúrgicos são inoxidáveis, como o 420 ou o 440-C. O 440C é mais caro (por reter mais o fio), mas dificilmente seria utilizado, já que geralmente os instrumentos de corte são descartáveis.

Têmpera mágica

Fazer a tempera em noites de luas especiais ou usando sangue, urina, vinho ou outras substâncias esquisitas não melhora a lâmina. São apenas espertezas de pessoas que não sabem fazer corretamente então inventam estas conversas.

Alguns desonestos ainda fazem a faca em inox 420 mais barato e gravam 440C na lâmina por isto é muito importante conhecer a idoneidade de seu fornecedor.

Perda do fio

Cortar cebolas e lavar a faca em água quente não estragam o corte.

Para alterar as características do metal temperado é necessário uma temperatura superior aos 100 graus celsius obtidos na fervura da água.

Um ácido poderá corroer a lámina de uma faca. Seu fio, por ser constituído por menos quantidade de massa, estará mais vulnerável. Entretanto, a quantidade de acido encontrada em alimentos dificilmente seria suficiente para tal. A principal recomendação é lavar a ferramenta após o uso, para guardá-la.

O fio pode ser perdido mais facilmente pelo mau uso. O que estraga o corte é usar a faca sobre superfícies duras como porcelanas e vidros, ou usar a parte abrasiva da bucha (geralmente o lado mais escuro) diretamente no fio.

Faca que não perde o fio

Não existe uma faca que nunca perca o fio. Podem existir facas muito boas que precisam ser afiadas menos constantemente que outras, mas esta mesma característica faz com que estas facas sejam muito mais difíceis de serem afiadas.

Uma faca nunca perderia o fio se, por exemplo, nunca fosse usada.

Aço Inoxidável

A palavra Inoxidável diz claramente que o aço não oxida, mas isto não é verdade. O que ocorre é que a quantidade de cromo presente no aço o deixa com a característica de "menos manchável". Dependendo do elemento ao qual a faca está exposta, pode sim oxidar-se.

Cava na lâmina

Muitos acreditam que as cavas laterais nas lâminas são feitas para que o sangue saia por elas. Alguns chamam mesmo estas cavas de sangrias.

Acredita-se que além de estético, as cavas seja para dois motivos diferentes, diminuir o peso das lâminas e facilitar a retirada da faca em uma estocada.


Conclusão

Hoje existem inúmeros bons cuteleiros no Brasil. Pessoas honestas trabalhadoras e com grande conhecimento técnico para a produção de obras de arte com a tecnologia necessária e adequada ao bom desempenho como ferramentas de corte.

Quando for comprar uma faca, desconfie quando a conversa for para lados místicos e esotéricos pois uma faca é composta de aço e materiais de empunhadura e fornituras agrupados com técnica e arte, somente isto. Não existe reza ou superstição que possa melhorar uma faca, apenas o conhecimento técnico do artesão e a qualidade dos materiais empregados.

Esperamos tê-lo auxiliado fornecendo informações básicas úteis para que tome uma boa decisão e compre a ferramenta adequada a sua necessidade no entanto se ainda tiver dúvidas entre em contato.


Sobre o autor

  • Marcos Soares Ramos Cabete
  • Cuteleiro desde 2003
  • Iniciou-se na forja com o mestre já falecido Fabio Codignolli
  • Ministra cursos de cutelaria basica gratuitamente

Contato: cabete [em] brascopper.com.br

Acessos
Ferramentas pessoais